Wednesday, July 05, 2006

Zidane acaba com a invencibilidade de Felipão (Portugal 0x1 França)

Após ter sua série de vitórias consecutivas quebrada no empate com a Inglaterra, o técnico Luis Felipe Scolari perdeu pela primeira vez uma partida de Copa do Mundo. Depois de eliminarem a equipe que defendia o título Zidane, Henry e a seleção francesa eliminaram o técnico atual campeão do mundo.

Fácil como o Brasil, isso não foi, apesar de Henry ter a primeira chance logo no primeiro minuto de partida. Portugal respondeu aos 3 minutos com um chute rasteiro fraco, mas perigoso de Deco, que o sempre estranho goleiro francês Barthez se esticou todo para defender.

Aos oito, Cristiano Ronaldo avançou pelo meio da área e tocou de calcanhar para trás e Maniche soltou a bomba, por cima do gol. Barthez defenderia ainda um chute de Figo sete minutos depois.

Com sua média de idade acima de 31 anos, a tática francesa que tem dado certo nas ultimas partidas mais uma vez foi utilizada: jogo cadenciado, passes curtos e domínio total das funções de criação por parte do “inaposentável” Zinedine Zidane. Se bem que nesta partida ele não teve a moleza que encontrou contra o Brasil.

Aos 27 minutos, Henry fez uma boa jogada na área, mas chutou mal facilitou a defesa do goleiro Ricardo, que ainda não havia aparecido na partida.

O mesmo Henry foi um dos protagonistas da jogada que decidiu o jogo, aos 32 minutos da primeira etapa. Na entrada da área, ele pareceu escapar do carrinho de Ricardo Carvalho, mas espertamente deixou a perna para ser atingida. Pênalti.

Como que por agradecimento ao passe que recebeu de Zidane para marcar o gol da eliminação da equipe campeã mundial, Henry nem hesitou em deixar que Zidane cobrasse a penalidade.

Bola no canto direito do goleiro Ricardo, que ainda foi nela, mas desta vez não conseguiu defender. França 1x0 Portugal. 33 minutos do primeiro tempo.

Dois minutos depois Maniche chutou rasteiro de fora da área e Barthez defendeu. Logo depois, a bola foi alçada na área por Figo e Sagnol apoiou-se levemente no ombro de Cristiano Ronaldo, que foi ao chão. Mas o árbitro uruguaio Jorge Larrionda nada marcou.

A pressão portuguesa continuou e ainda no primeiro tempo Cristiano Ronaldo se livrando de três adversários e tendo seu chute desviado por Thuram.

A etapa final começou de forma muito parecida com a inicial, ou seja, com um chute de Henry no primeiro minuto. Mas desta vez o goleiro Ricardo teve que mandar para escanteio. Dois minutos depois, Zidane tocou para Ribery mandar uma bomba para o gol de Ricardo, que mandou a bola para escanteio.

Aos sete minutos, Portugal teve uma grande chance num chute de virada de Pauleta, que acertou a rede. Pelo lado de fora.
No confronto entre a experiência francesa e o ímpeto português, os gauleses cada vez mais iam levando a melhor, sem se arriscar muito no ataque e com um posicionamento defensivo impecável. Aos lusitanos, restava a alternativa de se lançar obstinadamente ao ataque e ao chão, esperando cavar um pênalti.

Aos 32 minutos, outra chance incrível: Cristiano Ronaldo cobrou falta com muita força, Barthez tentou sem sucesso encaixar a bola e Figo, extenuado pela partida e atrapalhado por Helder Postiga, cabeceou por cima do gol.

Os últimos minutos foram de longe os mais empolgantes da Copa, em 62 jogos disputados até então. Tentando manter a bola no ataque, a França cedia espaço aos contragolpes portugueses, que quase chegaram ao gol com Maniche, que chutou por cima e Nuno Valente, que cruzou fechado e a bola não encontrou ninguém ao passar por toda a extensão da meta francesa.

Nos descontos, cobrança de escanteio e até o goleiro Ricardo foi para a área francesa para tentar o gol que levaria o jogo para a prorrogação, o que seria um pesadelo para os “velhinhos” franceses.

E assim, discretamente, marcando apenas oito gols em seis partidas, a França chegou à segunda decisão de Copa da sua história. E a bela carreira de Zinedine Zidane se encerrará junto com o torneio na noite de domingo, 09 de julho de 2006. Com o bicampeonato mundial? É esperar para ver.

5 Comments:

At Wednesday, 05 July, 2006, Anonymous Jarmeson said...

A vitória da França representaria por alto, pelo menos, o pior time que já ganhou uma Copa nestes últimos anos. Porque um time que empata em 0 x 0 com a Suíça e leva empate da Coréia aos 42 do segundo tempo, não mereceria nunca ter chegado à final.
O mérito seria unicamente de Zidane, mas mesmo assim, não seria nada demais.

 
At Wednesday, 05 July, 2006, Anonymous Anonymous said...

O filadaputa vai se aposentar ganhando o prêmio de melhor do mundo pela quarta vez com seis meses de antecedência. Se a Itália não vencer.

 
At Thursday, 06 July, 2006, Anonymous Anonymous said...

Discordo mestre jarmerson. A França está servindo de "modelo" para o futebol moderno-retranca iniciado tempos depois do carrossel holandês... o que pra mim já foi pacificado como uma qualidade. Aliás, é praticamente ( quase ) o sonho de parreira: Ganhar a copa do mundo marcando 7 gols !
Em 2002 o brasil com a mesma receita, faturou...
Espero que a França leve... e mate de vez as esperanças dos que ainda acreditam que futebol tem alguma coisa haver com arte ou qualidade técnica...

por CMM

 
At Thursday, 06 July, 2006, Anonymous Jarmeson said...

Pois é, Cleyton. Esse é o problema.
Qualquer time, friamente, pode passar da primeira fase só com empates, ir pras oitavas estudando os adversários e ir aplicando um esquema que defina a partida com 1 gol e depois se voltem a retrancar tudo.
Exatamente como foi a trajetória da França. Isso é uma merda. Acaba por terminar qualquer vestígio de graça que existia nessas Copas.

 
At Thursday, 06 July, 2006, Anonymous Anonymous said...

Calma, cara, o gol é apenas um detalhe do futebol, como diria nosso amigo Parreira, o grande visionário do futebol do século 21, que é tão bom quanto Sebastião Lazaroni. A diferença é que Parreira ganhou (nos pênaltis) uma copa da Itália e Lazaroni perdeu a anterior NA Itália.

 

Post a Comment

<< Home